Rota – Castelo de Leiria

TURISMO

CASTELO DE LEIRIA

Na cidade de Leiria, o Castelo é um farol indicador de muitos factos históricos, funcionando ao mesmo tempo como miradouro sabranceiro à cidade e permitindo conhecê-la praticamente de um só ponto. Monumento emblemático da história da cidadee do país, é o equipamento que consegue prender por mais tempo o turista na cidade. Localiza-se num morro sobranceiro à urbe, dominando-a do lado Norte.

O acesso ao Castelo faz-se pela Porta do Sol, acedendo a um vasto terreiro onde se encontra algumcasario, o antigo Paço Episcopal, a Capela de São Pedro e os antigos Celeiros da Mitra. Subindo uma rampa, que acompanha a muralha da Vila, acede-se à entrada do Castelo, que se faz através da Porta de Albacara.

Horário: Segunda a Sexta das 09h00 às 18h00. Sábados, Domingos e Feriados das 10h00 às 18h30.

Castelo: 1€. Museu: 2€ (Torre de Menagem)

MUSEU

M.I.M.O.

m|i|mo – museu da imagem em movimento assume como missão a recolha, salvaguarda, conservação e inventariação de objetos e técnicas relacionadas com as imagens em movimento, dando condições para a pesquisa e estudo nessa área. Aqui se integra e desenvolve a estrutura e exposição de coleções, a organização de atividades e a publicação de documentos, potenciando a fruição dos recursos de uma forma lúdica e criativa, trabalhando com o público na construção de conhecimentos sobre cinema e fotografia.

Horário: Segunda a Sexta das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h30. Sábados das 14h00 às 17h30.

Preços: Visitas por dia e por pessoa: 2,10€. Desconto de 50% para os jovens até aos 25 anos e idosos com 65 ou mais anos. Gratuito para crianças com idade até 10 anos e portadores de deficiência.

Contacto: 244 839 675

RELIGIÃO

IGREJA DE S.PEDRO

A atual Igreja de São Pedro começou a ser construída nos últimos anos do século XII, sendo referida pela primeira vez em documentos de 1200 relacionados a uma disputa entre o bispo e Coimbra e o Mosteiro de Santa Cruz sobre o domínio eclesiástico da cidade. A conclusão dos trabalhos deve ter ocorrido nas primeiras décadas do século XIII. Leiria foi designada sede de bispado em 1545, e por um curto período de tempo a igreja de São Pedro serviu como catedral da cidade até a conclusão da atual Sé de Leiria, em 1574. O templo serviu de igreja paroquial e passou por algumas reformas nos séculos XVII e XVIII. No século XIX chegou a ser usado como teatro, celeiro e até prisão. Em 1910 foi designada Monumento Nacional.

RELIGIÃO

SÉ CATEDRAL DE LEIRIA

A igreja foi contruída entre 1550 e 1574, sob o projeto do arquiteto Afonso Álvares.

A cidade tinha sido elevada a diocese em 1545, a pedido de D. João III ao Papa Paulo III, e face ao facto das igrejas da Nª Srª da Pena e de São Pedro serem demasiado pequenas para a população, tornou-se necessária a construção de uma igreja adequada para a recente diocese. A primeira pedra foi lançada a 11 de Agosto de 1550.

A igreja ao longo do tempo sofreu sucessivas alterações devido à sucessão dos bispos da diocese.

Também foi parcialmente destruída no terramoto de 1755, pelo que de seguida sofreu algumas intervenções que levaram ao seu aspeto robusto atual. Na fachada frontal, da construção original apenas restam os 3 frontais à entrada, dos quais o central é o maior.

A igreja foi ainda destruída durante as Invasões Francesas, pelo que em 1811 as tropas de Napoleão lhe atearam fogo que destruiu grande parte da ornamentação interior.

A Sé Catedral é um dos grandes edifícios do Renasciemtno tardio de Portugal.

Dali ao Largo da Sé de Leiria é um instante, o próprio Eça o referiu nos seus escritos, dizendo que até de “robe e chinelos se faz o caminho”. Uma vez aqui, contemple-se a Casa dos Hingas onde funcionou a Administração do Concelho de Leiria e Eça de Queirós tinha o seu escritório.

T. 244 832 366 E. seleiria@net.sapo.pt

RELIGIÃO

SANTUÁRIO NOSSA SENHORA DA ENCARNAÇÃO

Construído no século XVI, tem a sua base nas ruínas do templo de São Gabriel. No século XVIII, foi acrescentada uma grande escadaria barroca, que possibilita o acesso à capela, de alpendre arqueado, onde figura uma imagem quinhentista de São Gabriel.